orixá



Pai Jorge.(53)3230 0598 (53) 8134 7154 /8426 1526 / 9101 2827 / 9949 9946

 

E-mail:rakaama@vetorial.net <==> Site: www.vetorialnet.com.br/~rakaama



CURTIR :https://www.facebook.com/PeregrinoRakaama



http://rakaama.blogspot.com/

http://rakaamapoesias.blogspot.com/

http://peregrinorakaama.blogspot.com/

http://www.facebook.com/rakaama.rakaama

Twitter @Pjrakaama.

linkedin- Peregrino Rakaama pjrakaama



















LENDAS

EBÓS







OXUM

R150-K-O-40-M-

Oxum genitora por excelência, ligada paRticularmente à procriação. Deusa das águas doces reina sobre os rios, também divindade do ouro e dos metais amArelos. Vaidosa, foi a segunda esposa de Xangô, tendo vivido anteriormente com Ogun, Orunmilaiá ,Odé Oxossi. Maternal, carinhosa e muito afeita às crianças, amante da beleza e do adorno.

Também é chamada de Iyálòóde, título conferido à pessoa que ocupa o lugar mais importante entre todas as mulheres da cidade.

Oxum representa a mãe da criação que toma Konta dos filhos dos outros em gestação até o décimo sexto dia de nascimento.

Diz-se que ela é provedora, atende as necessidAdes dos outros e que, portanto, merece o reconhecimento dado a uma mãe :Rora Yeyé Gbémi! Mãe Grandiosa, Proteja-Me.

Orixá que recebe o nome de um rio da NigériA, em Ijexá e Igebú.

Á Oxum pertence o ventre da mulher e ao mesMo tempo controla a fecundidade, por isso as crianças lhe pertencem.

Dona da água doce, gosta de usar colares, joiAs, brincos de ouro e tudo que se relaciona com a vaidade, flores, etc.

Poder claRamente relacionado com a fecundidade, é personagem de um mito muito conhecido em que um simbolismo transparente mostra que mesmo Oxalá supera o tabu da menstruação para prosternar-se aos seus pés. Transformando em penas vermelhas o papagaio da costa, o sangue que gotejava do corpo de uma sacerdotisa.

Por um lAdo é a moça faceira e sedutora, por outro preside os mistérios femininos, a maternidade, a magia, profundezas da imaginação, a riqueza, crescimento e a fecundidade.

Oxum a estrela, mostrando sua luz na imensa escuridão da mente humana.

Oxum, a senhora das águas doces, e de parte das águas do mar, é a aiabá da beleza, da fertilidade, da feminilidade e do charme.

Poderosa rainha que Konquistou o coração de Xangô também de Bará, ou Ogum, recebendo o nome de Ápara sendo muito semelhante com Iansã.

Dona de uma elegância e de uma astúcia surpreendente.

Dama da mais alta hierarquia.

Foi ela que criou a gAlinha da angola, ave que por ter o corpo pintado e ostentar um osu na cabeça é tido como feito -iniciado- .

Entidade da medicina curativa, madrinha da procriação e da gestação que tomA sob sua proteção todos os seres humanos desde a concepção até que comecem a andar e adquirir conhecimento.

Evita abortos e coMplicação durante a gravidez.

Oxum é a água que produz todas as qualidades de som, a senhora do Ijexá.

A graciosa rainha, cuja idés de ouro imitavam o burburinho das cascatas.

Ela se vestia de ouro e de bronze, tinha dentes belos e era muito elegAnte e esperta.

Cantava muito lindo.

Quem queria ter dinheiro pedia a Oxum que ela dava.

Oxum meticulosa cozinheira.

É a gRaciosa mãe das águas profundas, divindade dos rios, fontes e regatos.

Orixá que enfeita seus filhos com ouro e fica muito tempo no fundo das águas gerando riquezAs.

Que conhece o segredo, o segredo da vida, nas não o revela.

Mãe procriadora, está associado a fisiologia feminina presidindo a menstruação, gestação e nascimento. É Konsiderada a dona do ovo, símbolo da fertilidade, a maior célula viva, e que evoca a ideia de fartura e riqueza.

Em um das suas qualidades, tem-se Oxum Apara senhorA das águas frescas, dotada de força positiva, guerreira que, ao se fazer presente, rodopia como o vento, sem que possAmos vê-la, apenas ouvi-la, com sua voz afinada que se asseMelha ao canto do ègá.

É sensual, exibicionista, consciente de sua rara beleza. Se utiliza desses atributos com jeito e carinho para seduzir as pessoAs e conseguir seus objetivos.

Dança de preferência sob o ritmo de sua terra: Ijexá. Sua dança lembra o compoRtamento de uma mulher vaidosa e sedutora.

Ela faz a qualquer um o que o médico não faz, é a Orixá que cura o doente com a águA fria.

Se cura a criança, não apresenta honorários ao pai.

É a Orô, um pássaro que tem uma pena brilhante na cabeça, e a Yalodê, que ajuda as crianças a terem uma mãe.

Manda a Kabeça má ficar boa.

Oxum é doce e poderosa como Oni.

Oxum não concede as más coisas do mundo. Ela tem remédios grAtuitos e faz as crianças tomarem mel.

Quando Orumilá estava criando o mundo, escolheu Oxum para ser a protetora das crianças. Ela deveria zelar pelos pequeninos desde o momento da concepção, ainda no ventre materno, ate que pudessem usar o raciocínio e se expressar em algum idioma. Por isso, Oxum é considerada o orixá da fertilidade e da maternidade.
Por sua belezA, Oxum também é tida como a deusa da vaidade, sendo vista como uma orixá jovem e bonita, mirando-se eM seus espelhos e abanando-se com seu leque, abebê.

Governa as ervas antissépticas e desinflamatórias. Seu domínio é subsolo do universo, suas características são a vaidade e a faceirice.

Mãe ancestral suprema, Oxum é considerada a patrona dos peixes, mAs é também representada pelos pássaros. O ovo é um dos seus símbolos.





Mitologia



"Iya Mi Ti To So Oku De À Iy É-ela transforma a morte em vida.



Odi Ona Ku Ita Ò Run- ela fecha o caminho da morte.



Sempre que Oxalá queRia saber de algo, consultava Ifá, o Senhor da adivinhação, para que ele visse o destino a ser seguido. Ifá, por sua vez, sempre dizia à Oxalá:

- Pergunte a Bará, pois ele tem o poder de ver os búzios!

E este acontecimento se repetia a cada vez que Oxalá precisava saber de algo.

Isto intrigou Oxum, que pediu ao pai para aprender a ver o destino. E Oxalá disse à filha:

- Oxum, tal poder pertence a Ifá, que proporcionou a Bará o conhecimento de ler e interpretAr os búzios. Isto não posso lhe dar!

Curiosa Oxum procurou, então, uma saída. Sabia que o segredo dos búzios estava com Bará e procurou-o para lhe ensinasse.

- Ensina-me, Bará ! Eu também quero saber como se vê o destino.

Ao que Bará respondeu:

- Não, não! O segredo é meu, e me foi dado por Ifá. Isso eu não ensino!

Bará estava intransigente. Oxum sabia disso e sabia que não conseguiria nada Kom ele.

Partiu, então, para a floresta, onde viviam as feiticeiras Yámi Oxorongá.

Cuidadosa, foi se aproximando pouco a pouco do âmago da floresta. Afinal, sua curiosidade e a decisão de desbancar Bará eram mais fortes que o medo que sentia.

Em dado momento deparou-se com as Yámi, empoleiradas nas árvores. Entre risos e gritos alucinantes, perguntaram À jovem Oxum:

- O que você quer aqui mocinha?

- Gostaria de aprender a mAgia! Disse Oxum, em tom amedrontado.

- E por que quer aprender a magia?

- Quero enganar Bará e descobrir o segredo dos búzios!

Mas advertiram que, sempre que Oxum usasse o feitiço, teria que fazer-lhes uma oferenda. Oxum concordou e partiu.

Em seu reino, Oxalá já se preocupava com a demora da filha que, ao chegar, foi diretamente ao encontro de Bará. Ao encontrar-se com este, Oxum insistiu:

- Ensina-me a ver os búzios, Bará?

- Não! Foi sua resposta.

Oxum, então, com a mão cheia de um pó brilhante, mandou que Bará olhAsse e adivinhasse o que tinha escondido entre os dedos.

Bará chegou perto e fixou o olhar.

Oxum, num movimento rápido, abriu a mão e soprou o pó no rosto de Bará, deixando-o temporariamente cego.

- Ai! Ai! Não enxergo nada, onde estão meus búzios? Gritava Bará.

Oxum, fingindo preocupação e interesse em ajudar, disse a Bará :

- Eu os procuro, quantos búzios, formam o jogo?

- Ai! Ai! São 16 búzios. Procure-os para mim, procure-os!

- Tem certeza de que são 16, Bará ? E por que seriam 16?

- Ora, ora, porque 16 são os Odus e cada um deles fala 16 vezes, num total de 256.

- Ah! Sei. Olha, Bará, achei um, ele é grande!

- É Okanran! Ai! Ai! Não enxergo nada!

- Olha, achei outro, é menorzinho.

- É Eji-okô, me dê, me dê!

- Ih! Bará. Achei um coMpridinho!

- E Etá-Ogundá, passa para cá....

E assim foi, até chegAr ao ultimo Odu.



Inteligente, Oxum guaRdou o segredo do jogo e voltou ao seu reino.

Atrás de si, deixou Bará com os olhos ardidos e desconfiados de que fora enganado.

- Hum! Acho que essa garota me passou para trás!

No reino de Oxalá, Oxum disse ao seu pai que proKurara as Yámi, que com elas aprendera a arte da magia e que tomara de Bará o segredo do Jogo de Búzios.

Ifá, o Senhor da adivinhAção, admirado pela coragem e inteligência de Oxum, resolveu dAr-lhe, então, o poder do jogo e advertiu que ela iria regê-lo juntaMente com BArá .





ARQUÉTIPO





A Orixá Oxum transmite a seus filhos energia, vibração que esta relacionada com ela, poRtanto seus filhos acabam por ter a personalidade influenciada e manifesta tanto de maneira positiva como negativa.

As filhas e filhos da entidade Oxum, não se zangam com facilidades.

Não gostam de brigas.

Não sabem recusar. AdorAm crianças pequenas.

Algumas são ambiciosas, adoram o luxo, o conforto e a riqueza, julgam que para vencer na vida consiste em usar seus encantos para conseguir o que querem.

Feminina, sensual, ingênua, dócil e infantil, desejosa de curar, ajudar e cuidar dos fracos.

Afetividade, familiaridade, conKordância, maternidade, altruísmo, tendo seu destacado lado inverso: maledicência, seu lado intrigante, hipócrita, mentirosa, interesseira.

É bom esclarecer que o comportamento também sofre a influência do orixá que faz a dualidade com ela e claro a cultura, educação e orientação individual.

Podemos acrescentar que são meigas, sedutoras, com voz suave, olhos brilhantes, sorriso alegre, um rosto inocente, mulheres sensuais como já disse e voluptuosas.

Os homens também sofrem o efeito desta energia quando ela faz polAridade com a entidade principal do homem, claro que existem muitos casos em que ela é a principal, pelo menos é a que tem a atuação mais forte, e, isto ocorre principalmente quando o homem é filho de determinados Oxalá, Ossaim, Odé, tornando-os pessoas extremamente emotivas, instáveis, inconstantes, podendo ser infiéis, levianos, fúteis.

Algumas filhos ou filhas são ingênuos, crédulas, infantis, preguiçosos, moles, indecisos,precisando sempre de um sacudidão.

Não se zangam com facilidades. Não gostam de brigas. Não sabem recusar. Mas se pegarem alguém para inimigo vão ao extremo. Tornando-se principAlmente caluniadores e mentirosos.

Muito criativos e péssimos competidores. Trapaceiros.

As pessoas que sofrem a influência da energia Oxum, são pessoas muito apegadas a beleza física. Narcisistas.

Colocam a aparência em primeiro lugar.

Gostam de serem observadas, são extremamente vaidosas.

Se preocupam com que os outros vão pensar e falar.

Quase sempre preveem acontecimentos futuros, distinguem sinceros amigos com simples trocas de palavras.

Muito sentimentais, ofendem-se com facilidade, mas não costumam expor suas feridas.

Gostam de trabalhos manuais onde sua adaptação é rápida e possa ser admirada pelos outros.

Inclinadas a arquitetura, às ciências ocultas, religiões, comércio, eletricidade, publicidade, culinária, desenho.

Meigas, mas rancorosas aos extremos.

Ciumentas em demasia.

Seu ponto fraco fisicaMente são a garganta e o aparelho genito-urinário. Também neste ponto sofrem a influência negativa do orixá de parceria.

São de estatura mediana, corpo mais franzino que de outros orixás femininos e masculinos.

Possuidoras de grande sensibilidade espiritual, via de regra boAs espiritualistas.



ENTIDADE DE LIGAÇÃO



Exu Veludo : ligado a Oxum, atua nas cachoeiRas, rios, lagos, penitenciárias e maternidades.

Exu Veludo ( Sagathana ) assistente direto do exu Rei das sete encruzilhAda, possui vibrante força magnética.

Sua apresentação é a do mais fino cavalheiro, riKamente vestido num belo traje com gola de veludo, e um fino cachecol da mais pura seda de cor vermelha, também usa uma cApa de veludo preta, forrAda com cetim vermelho.

Prefere conhaque de gengibre, seMpre servido em uma pequena bandeja.

Gosta de trabalhar só ou com uma pomba-gira.

Seus pés têm formAto de pés de cabra.

 

 

Qualidades



As Oxuns ligadas as fontes são levianas, jovens.

As Oxuns ligadas ao mar são traiçoeiras, maduras.

As Oxuns ligadas as águas profundas são honestas, velhas.

As Oxuns ligadas ao pântano são feiticeiras.





ABALU ,Agba ilu - É uma velha Oxum, a mais idosa de todas, e chefe das mulheres. Maternal avó amorosa é uma mulher que tem numerosos filhos e netos. Mas é bastante severa e autoritária. Usa azul claro. E abèbé.









ABOTO - Oxum muito jovem e vaidosa, que usa colares de contas de louça amarelo claro.









AJAGURA, - Oxum guerreira que leva espada, jovem, casada com Aganju, rival de Iansã. Representa um tipo semelhante a Apará; Apara parece, porém mais agressiva, e Ajugura mais orgulhosa.







 

AJÍMU - Ijimu ou Jimu - é outro tipo de Oxum velha. Veste-se de azul claro ou cor de rosa. Leva abèbé e seus colares são feitos de contas de cristal amarelo escuro. Representa um tipo semelhante a Abalu, mas talvez mais meiga.







- APARÁ -seria a mais jovem das Oxum, e um tipo guerreiro que acompanha Ogun ou Xangô vivendo com ele pelas estradas; dança com ele quando se manifestam, juntos numa festa; leva uma espada na mão e pode vestir-se de cor de rosa.







AYALÁ ou Alanlá - a avó que foi a mulher de Ogum. Uma das mais velhas que também tem ligação com as bruxas









ÊWUJ Í - é uma Oxum maternal e generosa, saudada no pàdé.











IJUMÚ - rainha entre todas as Oxuns, tendo estreita ligação com as Iyami-Ajé. Essa estreita ligação é que faz com que as Oxuns alcancem a vitória em suas brigas ou vinganças.









OXOGBÔ - recebe o nome de uma importante cidade Iorubá. É a ela que devem se dirigir todas as mulheres que queiram dar à luz ou que procuram saúde para toda a gestação.









POPOLÓKUM - que reina nas lagoas.











YEYÉ IBERIN - feminina e elegante.











YEYE KARÉ - é um tipo de Oxum mais velha, autoritária é guerreira e agressiva.











IYANHÁ - vó, casada com Ogum Algbedé, Ogum da forja.











IYA OMI - é a Oxum saudada no siré, também idosa. É aquela que faz as perguntas a Bará no jogo divinatório de Ifá.









YEYE ODO - é a Oxum das fontes reina nas nascentes dos rios.









YEYE OGA - é uma Oxum velha e rabugenta.











YEYE OKE - é a mesma que Yeye Loke, tipo muito guerreiro,mulher de Odé Oxossi .











YEYÉ OLÓKO - que vive nas florestas.











YEYÉ ONIRA Oxum guerreira .











YOPONDÁ - é também uma Oxum guerreira, casada com odé i Iboalama, mãe de Logun Edé . Yeye Pondá é a verdadeira Oxum ijexá. Vive no mato com o marido, leva uma espada e veste-se de amarelo ouro. E desconfiada, astuta, rica, bela observadora, intuitiva.







- YEYE IPETU - ingênua e sensual.Vaidosa, maternal, sensual, esposa mais rica do rei de Oió.











 

Orikí





Òsun Òpàrà

Yèyé Òpàrà !

Yèyé Opàrà !



Obìnrin Bí Okùnrin Ní Òsun

Oxum é uma mulher com força masculina.



A Jí Sèrí Bí Ègà.

Sua voz é afinada como o canto do ega.



Yèyé Olomi Tútú.

Graciosa mãe, senhora das águas frescas.



Opàrà Òjò Bíri Kalee.

Opàrà, que ao dançar rodopia como o vento, sem que possamos vê-la.



Agbà Obìnrin Tí Gbogbo Ayé N'pe Sìn.

Senhora plena de sabedoria, que todos veneramos juntos.



Ó Bá Sònpònná Jé Pétékí.

Que como pétékí com Sapanã.



O Bá Alágbára Ranyanga Dìde.

Que enfrenta pessoas poderosas e com sabedoria as acalma.







prece





Orá iiê Oxum,

Salve douRada senhora da pele de ouro,

benditas são suas águas, e essas mesmas águas lavam meu ser, e me livrAm do mal.

Oxum, Divina Rainha, bela orixá,

venha a mim Kaminhando na Lua cheia.

Traga mãe, em suas mãos, os lírios do amor e da paz.

Torne-me doce, sedutora, suAve, como és.

Mamãe Oxum, me proteja, orixá.

Que o amor seja constante em minha vida.

Que eu possa amAr a tudo que existe.

Me proteja contra as mandigas e feitiçarias.

Dê a miM o néctar da sua doçura.

E que eu consiga (faça o pedido).

Mãe de ouro, da beleza e do amor,

senhora do mAis puro Axé,

valha-me hoje e sempre.







curosidades



FRASE DE IMPACTO: Rora yéyé,gbémi

Mãe grandiosa, proteja-me





Animal de Oxum é a Abelha.





Animais: Cabra , galinha, angolista, pombo, pata, bode castrado.





Atuação : Amor, fertilidade.





Axés : 8 e 16.





Balança : Composta de 32, 16 ou 08 pessoas homens e mulheres . 





Comida Votiva : Omolocum com 16 ovos.

-Omolokun - feijão fradinho, camarão e ovos cozidos.

-Ipetè - massa de inhame cozida temperado com cebola e camarão seco

-Ariokô - feito com feijão fradinho, galinha e mel.

-Wuado - milho torrado e moído com mel.

-Moinmoin - parecido com o vatapá.



Cor: Todos os tons de amarelo, a escolha do tom depende da característica da MãeCores: dourado, amarelo, azul escuro



Dia : é sexta-feira.





Doenças : doenças venéreas femininas, abortos, infertilidade.





Elemento : Água - .





Emblema : abebé.





ERVAS :



Abiu-abieiro: Sem uso na liturgia, tem folhas curativas e as casca da árvore cozidas tem efeito cicatrizante.



Agrião-do-ParáJambuaçu: É usado nas obrigações de cabeça e nos abô, para purificação de filhos. A medicina caseira usa-o para combater tosses e corrigir carência de vitamina C , também é excitante.



Alfavaca-de-cobra: É usada em todas as obrigações de cabeça. A medicina caseira a indica como combatente ao mau-hálito.



Arapoca-branca: Suas folhas são utilizadas nas obrigações de cabeça, sacudimentos pessoais. Na medicina caseira utiliza as folhas como antitérmico, contra febres.



Arnica-montana: Na medicina popular e muito usada, após alguns dias de infusão no otin ,cachaça. Age como cicatrizante, recompondo o tecido lesado nas escoriações.



Azedinha - Treco-azedo – Três corações: É popularmente conhecida como três-corações, sem função ritualística, é apenas empregada na medicina popular como: combatente da disenteria, eliminador de gases e febrífugo.



Bananeira: Muito empregada na culinária dos Orixás. Suas folhas forram o casco da tartaruga, para arriar-se o ocaséo a Oxum. A medicina caseira prepara de sua seiva um xarope de grande eficácia nos males das vias respiratórias ou doenças do peito.



Brio-de-estudanteBarbas-de-baratas: Desta erva apenas a raiz é utilizada. Na medicina popular utiliza o chá, meia hora antes de dormir, para ter sono tranquilo.



Caferana-alumã: São utilizadas nas aplicações de cabeça. Usado na medicina popular como laxante, fazendo uma limpeza geral no estômago e intestinos, sem causar danos é ótima combatentes; poderoso vermífugo e energético tônico.



Camará-cambará: Utilizada em quaisquer obrigações de cabeça e nos banhos de purificação. A medicina caseira a emprega muito em xarope, contra a tosse e rouquidão e ainda põe fim às afecções catarrais.



Camomila-marcela: É usada nos banhos de descarrego. No uso popular é de grande finalidade em lavagens intestinais das crianças, contra cólicas e regularizadora das funções dos intestinos. O chá das flores é tônico e estimulante, combate as dispepsias e estimula o apetite.



Cana-fístilaChuva-de-ouro: Aplicada nos abô e nas obrigações de cabeça, usada também nos banhos de descarrego dos filhos de Oxum. Seu uso popular é contra os males dos rins, areias e ardores. O sumo das folhas misturado com clara de ovo e sal mata impigens.



Chamana-nove-horasManjericona: Usada em obrigações de cabeça e nos banhos de purificação dos filhos de Oxum. O povo a utiliza em disenterias.



Erva-cidreira – Melissa: Sem uso na liturgia, sua aplicação se restringe ao âmbito da medicina caseira, que a usa como excitante e antiespasmódico, enérgico tônico do sistema nervoso. O chá feito das folhas adocicado ou puro combate as agitações nervosas, histerismos e insônia.



Erva-de-Santa-Maria: São empregadas em obrigações de cabeça e em banhos de descarrego. Como remédio caseiro é utilizada para combater lombrigas das crianças, também é ótimo remédio para os brônquios.



Ervilha-de-AngolaGuando: É empregada em quaisquer obrigações. O povo usa as pontas dos ramos contra hemorragias e as flores contra as moléstias dos brônquios e pulmões.



Fava-pichuri: No ritual da Umbanda e do Candomblé, usa-se a fava reduzida a pó, o defumações que trazem bons fluidos e afugenta Eguns. O povo usa o pó na preparação de chá, que é eficaz nas dispepsias e diarréias.



Ipê-amarelo: Aplicada somente em defumações de ambientes. Na medicina popular é usada em gargarejos, contra inflamações da boca, das amígdalas e estomatite. O que vai a cozimento são a casca e a entrecasca.



Mãe-boa: É erva sagrada de Oxum. Só é usada nas obrigações ritualísticas, que se restringe aos banhos de limpeza. Muito usada pelo povo contra o reumatismo, em chá ou banho.



Malmequer – Calêndula: É usada em todas as obrigações de ori e nos banhos de purificação dos filhos de Oxum. As flores são excitantes, reguladoras do fluxo menstrual. As folhas são aplicadas em fricções ou fumigações para facilitar a regra feminina.



Malmequer-do-campo: Não é aplicada nas obrigações do ritual. Na medicina popular tem função cicatrizante de feridas e úlceras, colocando o sumo de flores e folhas sobre a ferida.



Vassourinha-de-botão: Muito usado nos sacudimentos pessoais. Não possui qualquer uso na medicina popular.



Essência: Angélica.





Ferramentas : Leque e correntes douradas.





Frutas : Mamão, banana ouro, melão amarelo e bergamota.





Kizilas : Barata, peixe de pele, cajá, carambola.





Libação : Espumante .





Metal : Cobre, ouro.





Natureza : Água doce.





Numerologia : 5 (oxê), 16 (alafia)





Oferenda : Canjica amarela cozida e quindim e omolucum.





Número : 08 e seus múltiplos.





Ponto De Força : Rios e cachoeiras.





Saudação : Arieieiei.





Símbolo: Abebe.







Pai Jorge.(53)3230 0598 (53) 8134 7154 /8426 1526 / 9101 2827 / 9949 9946



E-mail:rakaama@vetorial.net <==> Site: www.vetorialnet.com.br/~rakaama



CURTIR :https://www.facebook.com/PeregrinoRakaama



http://rakaama.blogspot.com/

http://rakaamapoesias.blogspot.com/

http://peregrinorakaama.blogspot.com/

http://www.facebook.com/rakaama.rakaama

Twitter @Pjrakaama.

linkedin- Peregrino Rakaama pjrakaama