ORIGEM

O Shorthorn se originou no noroeste da Inglaterra, nos condados de Northumberland, Durham, York e Lincoln, através da união do antigo gado Holderness e do gado Teeswater no fim do século XVIII. O real desenvolvimento da raça ocorreu no vale do rio Tees por volta de 1600. O grande tamanho dos bovinos que habitavam aquele fértil vale tornaram-se conhecidos como bovinos Teeswater.

É uma das mais antigas das raças para corte e a segunda raça de bovinos a ter suas características fixadas, a sofrer um processo de melhoramento genético e a primeira a ter uma um livro de registro genealógico em 1822.

A variedade mocha do Shorthorn surgiu inicialmente nos Estados Unidos, por volta de 1919. O registro dos animais Polled se divide em dois standards; O "single standard", o qual registra animais oriundos do cruzamento de Shorthorns aspados com animais Mulley mochos, são denominados animais Mulleys, aqueles que são originalmente mochos, acredita-se que sejam descendentes de Galloway ou Suffolk Polled (origem do Red Poll), estes animais entraram no livro de registro com um mínimo de 96% de sangue Shorthorn desde que tivessem as características da raça.

O "double standard" teve sua origem em 1888, quando um criador, Mr. W.S. Miller, de Elmore, Ohio, comprou alguns animais em Minnesotta, os quais vários eram naturalmente mochos. Todos os animais eram descendentes diretos de uma vaca chamada Oakwood Gwynne 4th., a qual estava registrada no Volume 15 do Herd Book Americano. Muitos criadores da época especulavam que a vaca era fruto de mutação, mas acreditamos ser o animal fruto de atavismo, visto que sangue Galloway foi introduzido na raça em sua origem na Inglaterra.

 História da raça

O Shorthorn é uma raça landrace, isto é, um tipo de animal doméstico que foi desenvolvido em uma determinada área, não sendo o resultado de um cruzamento deliberado para criar uma raça bovina. Esses animais sofreram uma combinação de seleção natural e humana para a sua forma final. Relatos afirmam que os bovinos domésticos se originaram do Bos primigenius ou Auroque e do Bos longifrons ou Celta de Chifres Curtos. Acredita-se que o Auroque existia apenas em estado selvagem nas Ilhas Britânicas, enquanto que o Shorthorn Celta foi domesticado pelos antigos bretões.

 É dito que o Shorthorn original, como um tipo britânico antes que um termo geral para os bovinos de chifres curtos, foi criado pelos Duques de Northumberland no século XVI. Os tipos raciais que originaram o gado Shorthorn melhorado evoluíram a partir de antigas populações bovinas do nordeste da Inglaterra, denominadas de Durham, Teeswater, Yorkshire e Holderness, e provavelmente descendesse de uma mistura de bovinos vermelhos Anglo-Saxões com bovinos vermelho e branco holandeses "Hollanders" e "Zeelands", que foram retratados na pintura "The Young Bull" de Paul Potter. Este gado Holandês não era assemelhado ao tipo Frísio ou o atual tipo leiteiro Holstein, mas um tipo antigo o qual foi devastado pela praga bovina na Holanda em 1745.

Foi após o século XVIII que a história do Shorthorn começou a ser claramente registrada. Eles eram geralmente conhecidos como uma raça holandesa e era encontrada apenas na costa leste da Inglaterra.

Os Tynesides Shorthorns eram muito similares ao Ayrshire em 1790, e igual a este ao fim de 1887, havia uma raça holandesa, o Drenthe, o qual era exatamente como o Ayrshire deste tempo. O Drenthe, o Hollander e o Zeeland eventualmente desapareceram para o surgimento do Meuse-Rhine-Yssel.

Durante o século XVIII, o bovino local Teeswater era superior, encontrado no noroeste da Inglaterra ao redor de Darlington, e os Durhams eram bem reputados por sua conformação e habilidade leiteira, foi sendo sistematicamente melhorado por vários criadores notáveis. As técnicas de seleção usadas tornaram-se projetos para outros criadores e asseguraram que o Shorthorn expulsasse rapidamente a raça Longhorn selecionada por Bakewell, o qual tinha grande prestígio até então.

Os mais famosos e influentes criadores de Shorthorn foram os Irmãos Colling na área de Darlington; Charles Colling nasceu no ano de 1751 em Ketton Hall e Robert Colling nasceu em 1749 em Barmpton, os irmãos Colling desenvolveram um tipo de animal mais leiteiro usando, ironicamente, o método de cruzamento fechado por consangüinidade de Bakewell, para fixar as características de seus rebanhos, mas sem usar um excessivo "inbreeding". Em certa etapa da seleção, Charles introduziu um touro meio sangue Galloway mocho, oriundo de uma vaca Galloway vermelha. Na formação do Shorthorn foram usados, também, animais descendentes do bovino selvagem de pelagem branca, sendo, portanto, os antepassados da atual raça White Park. O cruzamento do gado de pelagem vermelha prevalecia no rio Tees e, ao serem cruzados com os animais brancos, originavam belos animais rosilhos.

comet1.jpg (34603 bytes)

billy.jpg (43829 bytes)

Comet Billy

Seguindo o exemplo dos Collings, a divergência de tipos foi mantida pela família Booth de Killesby e Wallarby, Yorkshire, que em 1790 iniciaram a selecionar o Teeswater para carne, continuando esta seleção até 1919; Thomas Bates de Kirklenvington em Yorkshire, nascido em 1775, selecionou seu rebanho para leite, ambas as famílias fizeram uso total do rebanho dos Colling na 1a metade do século XIX. Por volta de 1800, o novo Shorthorn era a maior raça britânica em tamanho, sendo que os touros mediam 152 cm na altura das cruzes. Um famoso touro Durham, filho de Favourite em uma vaca comum, tinha 165 cm de altura e pesava 1375 kg com cinco anos de idade em 1801, quando foi exibido por todo o país, permanecendo como uma estrela até deslocar seu quarto traseiro em 1807, sendo então abatido.

Este tipo animal foi a base do rebanho que os irmãos Charles e Robert Colling usaram para a formação da raça Shorthorn melhorada. A raça se tornou famosa nesta época, por sua qualidade de carne e rápido engorde, além de boas qualidades leiteiras, espalhando-se por grande parte da Inglaterra. Até então, a raça era de dupla aptidão. Porém, os irmãos Booth a selecionaram para carne, enquanto que Thomas Bates preferiu o caráter leiteiro, seguindo a dupla funcionalidade da raça.

Fontes:
BRIGGS, H.M. 1949. Modern Breeds of Livestock. pp. 17-73.
FELIUS, M. Genus Bos. Cattle Bredds of the World. Rahway, NJ : MSD-AGVET. 235 pp., 1985
FISHER, O.L. 1993. Shorthorns Around the World. pp. 7-25; 81-84
FRENCH, M. H. Razas Europeas de Ganado Bovino. Vol. I & II, FAO, Rome, 1968. 420 pp.
MASON, I. L. A World Dictionary of Livestock Breeds, Types and Varieties. 3ª ed. CAB, Edimburgo, 1988. 348 pp.
PORTER, V. Cattle : A Handbook to the Breeds of the World. A & C Black, London, 1991. 400 pp.
SINCLAIR, J. 1911. Historia del Ganado Shorthorn. pp. 1-55.
TOCAGNI, H. 1980. Bovinos Shorthorn. pp. 29-36.

Página inicial