Lincoln Red

Hoje, no Brasil, animais da raça Lincoln Red no Brasil são encontrados em três rebanhos. Um rebanho Puro de Origem, onde a atual população da raça é de apenas 4 fêmeas, as quais são descendentes dos animais importados na década de 70 e que se mantiveram fechados em homozigoze por muitos anos. E outros dois rebanhos mais recentes, sendo um deles em formação de animais Puros Controlados por absorção através de inseminação artificial. Este rebanho é propriedade do Sr. Nei Marques Girardi, de São Francisco de Paula, que está usando vacas Shorthorn e Devon para servirem de base para cruzamento, usando o touro St Fort Essex para este fim, na estação de monta de 2012.

O outro rebanho Puro Controlado, localizado em Tupanciretã, de propriedade do Sr. Adilson Kruel, já possui animais com maior grau de sangue Lincoln Red, visto que mantém a raça a mais de 15 anos. Sua base genética remonta ao rebanho de Theodorico Andrade, Cabanha Jaguary, a qual criava a raça e mantinha registro de Puro de Origem. Porém, a Agropecuária Novo Rumo, de Adilson Kruel, iniciou registro PC, embora sendo oriundo de rebanho PO, devido ao fato de que os animais adquiridos já não tinham procedência cartorial de nascimento.

A Cabanha Santa Isabel na cidade de Rio Grande, juntamente com os criadores, Nei Girardi e Adilson Kruel, estão organizados em esforço conjunto para manter a raça ativa no Brasil.

Para esta finalidade, foram importados embriões da Cabanha St. Fort, localizada em Fife, na Escócia. Os primeiros terneiros nascidos destes embriões estarão em solo gaúcho a partir de junho de 2013, na Agropecuária Novo Rumo em Tupanciretã.

Ainda com finalidade de revitalizar a raça, uma associação de criadores foi formada em 2012, onde o Sr. Nei Girardi é o Presidente e o Sr. Adilson o Vice-Presidente.

Material seminal do touro St. Fort Essex foi importado recentemente, e suas primeiras crias estarão nascendo em julho de 2013. O touro Harrington Charlie teve sêmen importado em maio de 2013, servindo para abrir mais linhagens de sangue no rebanho nacional. A Associação de criadores está selecionando mais reprodutores para ter sêmen coletado em breve.


 

HISTÓRIA DA RAÇA LINCOLN RED

O Lincoln Red teve sua origem no Condado de Lincolnshire, nordeste da Grã-Bretanha.

O gado original de Lincolshire, em seu estado primitivo e não melhorado, se caracterizava por ser de grande tamanho; até o fim do século XVIII e princípios de XIX não se iniciaram atividades de melhora. Em 1799, estes animais foram descritos como sendo uma raça "não superada por nenhuma outra do país em caracteres de alto valor ou a sua facilidade de engorde em qualquer idade." Charles Colling, ao vender seu gado no ano de 1810, teve três de seus touros levados para Lincolnshire, cada um destes foi seguido pela introdução de outros animais da raça Shorthorn. Estes animais cruzados com a raça local deu origem ao gado local Lincoln Red Shorthorn.



Os touros Shorthorn foram acasalados com as grandes e rústicas vacas malhadas de Lincolnshire, as quais viviam todo ao ano a campo nesta região da costa leste do Condado, o qual era assolado por ventos vindos do Mar do Norte constantemente. Este antigo tipo local foi possivelmente introduzido pelos Vikings no século IX ou X.

Através de consistente seleção, baseado em um grupo de Shorthorns vermelhos criados por Collings, que foram levados para Lincolnshire no século XIX, as características cores da raça bem como suas qualidades foram fixadas.

A raça foi primeiro inscrito em um Herd Book, como sendo parte da raça Shorthorn no ano de 1822, porém em 1896 o Lincoln Red tornou-se uma raça em separado estabelecendo seu próprio Herd Book.

A raça sempre foi grande, com animais muito bem carnudos, eles mantiveram este grande frame mesmo quando outras raças britânicas tornaram-se pequenas por volta de 1940. Em 1946 ele foi reconhecido como uma raça de dupla aptidão e o seu Herd Book foi dividido, com uma seção de Lincoln Red selecionado para carne e outra seção para leite.


ANIMAIS DA ST FORT STUD - JUNHO 2010 - FIFE - ESCOCIA


Características

A raça Lincoln Red, apresenta peso ao nascer, em média de 38 kg para os machos e 35 kg para as fêmeas. Os machos adultos chegam a pesar 900 a 1000 kg, enquanto que as fêmeas pesam em média 700 kg.

A pelagem é de coloração vermelha intensa de cereja, às vezes com nuanças de sangue. Os sinais brancos caracterizam um retrocesso na raça e os exemplares são mais apreciados, quanto mais intensos for a cor.


A raça Lincoln Red tem uma longa história como raça de dupla aptidão. A maioria dos criadores se dirigiu para um tipo de animal de carne com abundância de leite para a nutrição de suas crias. Nestes rebanhos a seleção se voltou com vistas a melhorar o potencial leiteiro, obtendo-se bons animais deste tipo.

Os reprodutores gozam de boa reputação por sua docilidade e longevidade. Possuem uma marcada capacidade de engorde precoce, econômico e rápido. A sua carne, tem grande aceitação e alta qualidade. São muito usados em programas de cruzamentos para a produção de mestiços. Ocupando sempre importante lugar para esta finalidade.

O Lincoln Red sempre foi uma raça de grande porte, com animais muito musculosos, os animais mantiveram este grande frame mesmo quando outras raças britânicas tornaram-se pequenas por volta de 1940. Em 1946 ele foi reconhecido como uma raça de dupla aptidão e o seu Herd Book foi dividido em duas secções, com uma seção de Lincoln Red selecionado para carne e outra seção para leite.

O rebanho de carne tem habilidade de viver sob alimentação modesta e a dar altos rendimentos de carcaça em várias idades de abate. Esta característica foi com o tempo suplantando o caráter leiteiro da raça, tornando assim o Lincoln Red uma raça de corte.

A Associação de Criadores de Lincoln Red do Reino Unido, Lincoln Red Cattle Society, sempre foi pioneira em introduzir novas técnicas para melhorar a raça. Dados de carcaça, com a pesagem dos animais em idades especificas, assim como estabelecer pesos mínimos para a raça foram as primeiras metas a ser designadas, em uma época que a seleção de animais ainda era apenas visual.

A Associação de criadores de Lincoln Red foi a pioneira a introduzir o mochamento de seus animais. Nos anos 60, apenas as raças escocesas Aberdeen Angus e Galloway eram mochas. Um programa de 25 anos para mochar os animais foi iniciado em 1938, quando o criador Eric Pentecost (1896-1980) usou touros Aberdeen Angus de pelagem negra e vermelha, bem como touros Shorthorn mochos importados dos Estados Unidos, em algumas de suas vacas Lincoln Red, seletivos cruzamentos de "backcrossing" foram usados em cinco gerações, até que o primeiro Polled Lincoln Red pode ser registrado.


Poplar Farm - Lincolnshire - Inglaterra - Julho 2003
Copyright: Jean Pierre Martins Machado
Royal Show - Warwickshire - Inglaterra - Junho 2003
Copyright: Jean Pierre Martins Machado

Pentecost usou touros Red Angus acreditando que o fator vermelho recessivo na pelagem da raça Aberdeen Angus tinha origem do uso de Durhams (Shorthorns) vermelhos usados dois séculos antes. O rebanho de Eric Pentecost, chamado de Cropwell, foi o principal fornecedor de genética mocha para o restante dos criadores da raça.

Foram usados maciçamente os touros Aberdeen Angus Eridon of Harviestoun (HB.ING.121578), o qual é bisavô materno de Cropwell Zorn. O Aberdeen Angus de pelagem vermelha Defender of Fordhouse (HB.ING.124675) e que é bisavô de Cropwell Zodiac, e Regent of Thorn (HB.ING.106337) o qual é bisavô de Cropwell Arima, vaca a qual já tem em sua genealogia Eridon of Harviestoun.

Mais recentemente, 1977, a associação de raça introduziu um controlado esquema de desenvolvimento usando uma parte de sangue raças europeias para manter o tamanho, melhorar a conformação de carcaça e a reduzir a gordura de cobertura aumentando a quantidade de carne magra na raça, usando animais das raças Charolesa, Maine Anjou, Chianina, Romagnola e Limousin.

Por volta de 1980 os touros pesavam 500 kg ou mais aos 400 dias de vida, 380 kg os novilhos e 320 kg as novilhas.

O Polled Lincoln Red esta hoje absorvendo o tipo aspado.


A raça tem uma excelente história como raça de dupla aptidão. A maioria dos criadores se dirigiu para um tipo de animal de carne com abundância de leite para a nutrição de suas crias. Nestes rebanhos a seleção se voltou com vistas a melhorar o potencial leiteiro, obtendo-se bons animais deste tipo. Até meados da década de 70 existiam alguns rebanhos leiteiros. As vacas selecionadas para leite podem produzir médias de até 3.500 kg, parindo regularmente e por vários anos, estando aptas a viver o tempo todo a campo.

Os reprodutores gozam de boa reputação por sua docilidade e longevidade. Possuem uma marcada capacidade de engorde precoce, econômico e rápido. A sua carne tem grande aceitação e alta qualidade. São muito usados em programas de cruzamentos para a produção de mestiços. Ocupando sempre importante lugar para esta finalidade.

Com o passar do tempo, o rebanho de carne por sua habilidade de viver sob alimentação modesta e a dar altos rendimentos de carcaça em várias idades de abate, suplantou o caráter leiteiro da raça, tornando assim o Lincoln Red uma raça de corte.


O Lincoln Red foi exportado para a África do Sul, com a finalidade de melhorar as raças nativas e sua adaptação foi excelente a uma ampla variedade de climas e ambientes, ocorrendo o mesmo para os animais exportados para a Hungria, onde foram acasalados com vacas Hungarian Grey. Uma raça composta foi formada deste acasalamento, porém perdeu interesse por parte dos criadores que abandonaram os trabalhos de cruzamento. Ainda são encontrados alguns rebanhos de Lincoln Red definidos naquele país.

A Hungria recebeu grande número de animais puros, bem como sêmen de reprodutores Lincoln Red para o melhoramento do gado local, para produzir uma nova raça composta. Uma nova raça foi reconhecida pelo Governo Húngaro em 1992, sob o nome de “Szentsi Voros” ou “Pankota Red”, no ano de 1993 todo o rebanho de 600 vacas Lincoln Red, bem como os animais oriundos da raça composta foram vendidos. Além destes dois países, o Lincoln Red é encontrado na Austrália, Canadá e Estados Unidos, com menção sobre exportações para a Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, Suécia, Cuba, Rússia e Romênia.

A raça Lincoln Red entrou na formação da raça Pankota Red (90% Lincoln Red e 10% Hungarian malhado) da Hungria, no composto canadense Fort Cross (1/2 Charolês, 1/4 Lincoln Red e 1/4 Hereford), e Beevbilde (65% Lincoln Red, 30% Polled Shorthorn e 5% Aberdeen Angus) na Inglaterra.

Shaver Pines e a pequena Jessica
Fonte: Larry & Sarah Pedelty - Minnessota - USA
Shaver Caesar
Fonte: Larry Pedelty - Minnessota - USA

O Lincoln Red é chamado de a raça ideal para servir de base para cruzamentos devido as seguintes características.

- DÓCIL E DE FÁCIL MANEJO;

- RÚSTICA E ECONÔMICA;

- LONGEVA;

- MOCHA;

- CRUZA BEM COM QUALQUER RAÇA, ESPECIALMENTE CONTINENTAIS;

- APRESENTA ALTA FACILIDADE DE PARTO;

- ABUNDANTE E RICO LEITE;

- ALTAS TAXAS DE CRESCIMENTO;

- SERVE PARA TERMINAÇÃO INTENSIVA E EXTENSIVA;

- CARNE SUCULENTA E MACIA.


Novilhos de 18 meses preparados para abate
Beverly Hall - Lincolnshire - Inglaterra - Juho 2003
Copyright: Jean Pierre Martins Machado

Novilho de 6 meses
1/2 Lincoln Red, 1/4 Hereford, 1/4 Holandês
Mount House - Lincolnshire - Inglaterra - Juho 2003
Copyright: Jean Pierre Martins Machado

Dados de pesquisa feita nos Estados Unidos, apresentando índices sobre a performance da raça Lincoln Red.

Característica

Pontuação

Eficiência em condições mínimas de manejo

2,75

Bom -

Temperamento

2,25

Bom +

Tolerância ao calor

2,75

Bom -

Tolerância ao frio

2,50

Bom

Fertilidade

2,50

Bom

Facilidade ao parto

2,50

Bom

Tamanho do terneiro

Médio

Facilidade de ordenha

3,00

Médio +

Capacidade maternal

2,75

Bom -

Eficiência alimentar

2,33

Bom +

Crescimento após o desmame

2,75

Bom -

Tamanho em idade adulta

Médio

Longevidade

3,00

Médio +

Entremeamento de gordura

2,33

Bom +

Palatabilidade

2,00

Boa +

Espessura de gordura (*)

3,66

Boa +

Musculatura

2,75

Boa -

Ossatura

Média

Idade da puberdade

Média

Uso em cruzamentos

Maternal e Rotacional

Pontuação: 1 - máximo, e 5 - mínimo.
(*) - Exceção para o item " Espessura de gordura ", onde: 5 - máximo, e 1 - mínimo.



Registros no Reino Unido

A Lincoln Red Cattle Society,localizada no Lincolshire Showground em Grange of Lings, Lincolnshire, Inglaterra possui duas categorias de registros onde os animais da raça podem se enquadrar. Podem ser classificados como “X”, onde determina que são oriundos de “Breed Development Scheme” através de absorção; ou “P” que são os animais classificados como “Original Population”.

Como descrito anteriormente, a raça sofreu duas introgressões de raças exóticas. A primeira na década de 40 a 60 com uso das raças Aberdeen Angus e Shorthorn de variedade mocha, e uma segunda na década de 80 com uso de várias continentais com finalidade de aumentar frame e diminuir a quantidade de gordura na carcaça, aumentando a relação quantidade de cortes nobres de carne na carcaça.

Estes animais são hoje a grande maioria dos registros da raça. Para que sejam reconhecidos quanto ao registro recebem a designação “X” em frente ao numero de registro. O processo de absorção, que irá culminar com o status de puro inicia com cruzamentos base usando touros/sêmen de animais puros com vacas de qualquer raça ou Lincoln Red sem registro. 

O mínimo de sangue para entrar receber registro é 43%. A classificação mínima é denominada “BDA” com grau de sangue variável de 43% a 74,99%. A classificação seguinte é a “BDB” que vai de 75% a 87,49%.

Animais com grau de sangue superior a 87,5% são registrados no livro principal da raça como puros, recebendo o símbolo “X”. Ao atingir 95% de sangue Lincoln Red o animal é creditado como puro, porem mantém o “X” como sinal de que é proveniente de absorção ou de infusão de raça exótica. Mesmo após várias gerações de sangue Lincoln Red, a progênie destes animais mantém o “X”.

Portanto um animal oriundo de absorção ou com infusão de outras será sinalado em seu pedigree por toda sua progênie.

Outros sinais encontrados nos registros Britanicos mais antigos. São o “P”, animal mocho onde um ou ambos os pais são mochos; “PH”, mocho heterozigoto, onde um dos pais é aspado; “HP”, animal aspado, onde um ou ambos os pais são mochos; e “H”, aspado, onde ambos os pais são aspados.

Atualmente apenas são usados o “X” para animais BDS e o “P” para animais “Original Population”.

 

ORIGINAL POPULATION

Os animais Lincoln Red Original Population são uma população que se manteve livre da infusão da infusão de raças continentais através do Breed development Scheme da década de 80. São, portanto tidos como 100% Lincoln Red.

Atualmente a população esta mostrando um crescimento, supõe-se que existam entre 300 e 450 ventres “Original Population” no Reino Unido, distribuídos em rebanhos que mantém exclusivamente esta linhagem e rebanhos que mantém ambas as linhagens cruzando os animais.

Estes animais recebem o símbolo “P” em frente ao seu numero de registro, sejam eles aspados ou mochos.

Mesmo registrados e tidos como 100% puros, a maioria destes animais possui sangue de Aberdeen Angus que foi introgresso na década de 40 a 60. Apenas um touro no Brasil esta livre de sangue Aberdeen Angus, sendo, portanto realmente 100% puro. Este touro se chama Spridicliff Kinsman, é aspado, nascido em 14 de março de 1966 e está em nosso estoque de sêmen, sendo que apenas a Cabanha Santa Isabel possui este sêmen na América Latina e possivelmente em todo o mundo com exceção possivelmente para a Inglaterra.

A maioria dos embriões importados em março de 2013 para restabelecer a raça Lincoln Red no Brasil é oriunda de doadores “Original Population”.

A linhagem original mantém as características básicas da raça como alta habilidade materna, produção de leite, precocidade, rusticidade e grande qualidade de carne com boa gordura de cobertura.



BIDDLESDEN GREAT EXPECTATIONS

"ORIGINAL POPULATION"

ST FORT HETTY G384

"ORIGINAL POPULATION"

O Lincoln Red na América do Sul

Na América do Sul, a raça foi introduzida na Argentina segundo relatos, em meados de 1890, porém os relatos históricos não informam o que ocorreu com os animais desde então.

Novamente ocorreu uma introdução de Lincoln Red na Argentina em 1975 através da requisição dos criadores de Shorthorn. Desde então a raça esta sendo usada em animais Shorthorn, sendo registrados todos em um mesmo registro genealógico e participando de exposições e feiras como uma raça única.

O Livro de Registro genealógico para a raça foi aberto em novembro de 1974, com o registro da fêmea "Edna 1 de São Miguel". A partir de então sêmen e animais foram importados. A principal finalidade destas importações foi o uso para cruzamento com vacas Shorthorn, com a finalidade de aumentar o tamanho dos animais, além de fixar a pelagem vermelha e caráter mocho no rebanho Shorthorn.

Visto que, a finalidade da introdução do Lincoln Red no Brasil foi para cruzar com Shorthorn, poucos animais puros foram mantidos e registrados. Durante muitos anos ocorreram esporádicos registros, levando a raça quase ao desaparecimento completo.

Desde a abertura do Livro de Registro genealógico apenas 218 animais foram inscritos, sendo que nos últimos 15 anos, apenas 18 animais estão registrados. Devido ao pequeno numero populacional em muitos anos, os coeficientes de consanguinidade na raça estão elevados, com uma media de 18,5%.

No ano de 2012 foi efetuada a solicitação junto ao registro genealógico brasileiro para que o livro de PO da raça fosse aberto para a inclusão de animais Puros Controlado com um mínimo de 4 gerações conhecidas ou seja, animais com um mínimo de 15/16 de sangue ou 93% de Lincoln Red sejam aceitos no livro de registro Puros de Origem. Estes animais serão inscritos sob a designação de Puro de Origem Brasileiro ou POB.

Esta decisão do corpo técnico da Associação Brasileira de Lincoln Red foi feita com finalidade de abrir novas linhas de sangue e oportunizar a novos criadores que possuem rebanhos por absorção consigam atingir o livro de PO e participar de eventos com este status.

Os animais oriundos de embrião importado – TEI – e que são descendentes daqueles importados nas décadas de 70 e 80 recebem designação especial frente ao registro, demonstrando seu caráter de pureza frente aos registros genealógicos mundiais.

 

ANC "HERD BOOK COLLARES" Padrão das Raças para Registro Genealógico.
ALDERSON, L. 1994. The Chance to Survive. pp. 56.
FELIUS, M. Genus Bos. Cattle Bredds of the World. Rahway, NJ : MSD-AGVET. 235 pp., 1985.
FILLAT, R. D. Mejoramento de Los Bovinos de Carne. Ed. Polo, Montevideo. Uruguay. 1978. 283 pp.
FISHER, O.L. 1993. Shorthorns Around the World. pp. 7-25; 81-84
FRENCH, M. H. Razas Europeas de Ganado Bovino. Vol. I & II, FAO, Rome, 1968. 420 pp.
MASON, I. L. A World dictionary of Livestock Breeds, Types and Varieties. 3ª ed. CAB, Scotland, 1988.
348 pp.
PORTER, V. Cattle : A Handbook to the Breeds of the World. A & C Black, London, 1991. 400 pp.
SINCLAIR, J. 1911. Historia del Ganado Shorthorn. pp. 1-55.
TOCAGNI, H. 1980. Bovinos Shorthorn. pp. 29-36.

Fotos:

Arquivo particular Santa Isabel;
Site da Lincoln Red Cattle Society - UK;
Site da Oklahoma University - USA;
Folder Anwick Herd - UK
Larry Pedelty - MN - USA

Página inicial